Início Artigos ENSINO MÉDIO: Diagnóstico - Perspectivas - Propostas

Menu Principal

Outros Documentos

ENSINO MÉDIO: Diagnóstico - Perspectivas - Propostas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcos Elias Moreira   
Seg, 01 de Junho de 2009 11:55
Índice do Artigo
ENSINO MÉDIO: Diagnóstico - Perspectivas - Propostas
2. Perfil ...
3. O Ensino ...
4. O CNE avalia ...
5. O CEE-GO avalia ...
6. O CEE-GO e os Eixos...
7. O Projeto Político...
8. Sugestões ...
9. CEE-GO Reflexões ...
10. Proposta para a Reforma ...
Todas Páginas

Conselho de Educação do Estado de Goiás

ENSINO MÉDIO: DIAGNÓSTICO- PERSPECTIVAS- PROPOSTAS

“Quando cursava o jardim de infância vivia num mundo mágico. Quando cursava o fundamental estudava coisas interessantes, pois caminhando pelas ruas, pelos campos via no mundo real o que havia aprendido na escola. Ao galgar o médio, olhando na rua não via nada do que havia aprendido. Era tudo abstrato e distante do meu mundo real. Estava frustrado.”

Cláudio de Moura Castro - Veja 2/05/2007

1. Os dados do ensino médio: diagnóstico

Os estudos indicam que nos últimos 15 anos, no Brasil, o Ensino Médio vem sofrendo um processo de escolarização em massa, manifestado no crescimento da oferta de vagas e no aumento vertiginoso das matrículas (240%, entre 1991 / 2006). Esse processo revela uma significativa democratização do acesso da população brasileira à Educação Formal. Porém, essa auspiciosa expansão quantitativa está apresentando, nos últimos anos, sinais de esgotamento, com a estagnação da demanda de matrículas novas, a permanência dos alunos na faixa da idade/série ameaçada e os coeficientes de conclusão de curso indicando diminuição.

 

Uma outra série de fatores negativos, relacionados à qualidade desse nível de ensino, acusa a crise de um modelo de ensino médio que não apresenta o desempenho desejável em relação à aprendizagem dos alunos e à aquisição das competências necessárias para o exercício pleno da cidadania. Há indefinição na identidade do curso e em suas funções, currículos multidisciplinares enjaulados em grades, falta de gestão competente, escassez de recursos, qualificação docente precária, aviltamento da profissão de professor, políticas de achatamento salarial, desinteresse dos alunos e, consequentemente, resultados insatisfatórios nas avaliações institucionais e de desempenho discente, levantados e analisados por organismos nacionais e internacionais. São dados que aparecem nos relatórios do MEC/INEP/Deed, PNAD/IBGE, IPEA, Censo Escolar, SAEB, Enem, PISA etc. As pesquisas educacionais, efetuadas nos últimos anos, apontam firmemente para um esgotamento do modelo atual de ensino médio.

 

Eis os dados mais relevantes:

- Enfoque prioritário da função propedêutica do “preparo para o curso superior”, na opinião de ¾ dos alunos da escola privada e mais da metade dos alunos da escola pública. Em outras palavras, é o vestibular que determina a identidade do ensino médio (Pesquisa “Ensino Médio: Múltiplas Vozes”, UNESCO/MEC/2003).

- Comparada com os índices de universalização do Ensino Fundamental conseguidos nos últimos anos (97%), é muito baixa a taxa de escolarização líquida do ensino médio no país (44% em 2005) com significativas distorções regionais (Alagoas, 18%). Isto quer dizer que a maioria dos jovens na idade/série (15-17 anos) que deveriam estar cursando o ensino médio, na realidade ou estão ainda no ensino fundamental (mais de um terço) ou estão fora da escola. (PNAD/IBGE/2005).

- Índice de matrícula no 1º ano do ensino médio alarmante: dos cerca de 10 milhões e meio de brasileiros com idade entre 15 e 17 anos (idade/série), mais de 50% não estão matriculados no ensino médio. A maioria desses alunos que não se matriculam pertence à classe pobre, é negro e mora no Nordeste (PNAD/2006).

- Índices preocupantes e crescentes, ano após ano, de evasão escolar. Em 2006, quase 18% dos alunos, com idade entre 15 e 17 anos, abandonam a escola, alguns (62%) de vez e outros (17%) até três vezes. Motivo? 40% por falta de interesse, 27% por necessidade de trabalhar, 22% por motivos vários (gravidez etc.) e 11% por falta de escola (CPS/IBRE/FGV 2009, p.1-15).

- No Brasil, apenas 52% dos alunos do ensino médio estão com a idade de 15 a 17 anos (idade/série). Os que estão no ensino médio e tem mais de 18 anos são 48%. Isto significa que a correção da distorção idade/série ainda é um desafio, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste, nas quais os alunos idade/série não superam o 35%. (MEC/INEP).

- Altos Índices de Repetência (e consequente distorção idade/série) demonstram a ausência de um acompanhamento individual e o fracasso das muitas vezes inexistentes “recuperações paralelas” (MEC/INEP/2009).

- Resultados negativos nas avaliações da aprendizagem dos alunos, efetuadas por diversos programas e testes estaduais, nacionais e internacionais (SAEGO, SAEB, PROVA BRASIL, IDEB, IDESP, ENEM e PISA).

- Falta de professores titulados nas disciplinas que ministram, bem como ausência de processos de educação continuada.

- Relação conflitante entre professores e alunos, com índices preocupantes de rejeição.

- Comparando os dados de 2007/2008, as matrículas do ensino infantil estão em alta (quase 11%); as do ensino fundamental em leve retração (0.1%); as matrículas do ensino médio encontram-se estagnadas; as da educação Profissional em franca expansão (quase 15%), com destaque especial para os avanços da Educação Profissional Técnica integrada ao Ensino Médio (quase 800 mil matrículas em 2008) (MEC/INEP/Deed e Censo Escolar, 2008).

- Alcançada a quase universalização do ensino fundamental (97%), notam-se índices crescentes de reprovação, abandono, repetência e evasão nesse nível de ensino, o que resulta na redução do número de concluintes aptos a se matricular no ensino médio (MEC/INEP).

 

Infelizmente, a estes resultados das pesquisas educacionais soma-se a constatação de que, quando o ensino brasileiro não atinge suas metas no ensino básico, empobrece os demais níveis de ensino, vivenciando um círculo vicioso paradoxal, uma corrente de insucessos que se repete em todas as modalidades da educação nacional:

O ensino fundamental, quando não alcança as METAS dos conteúdos-mínimos programáticos (que incluem níveis de alfabetização básica no domínio da língua portuguesa e na Matemática) leva ao ensino médio um aluno que não sabe ler, escrever e fazer as contas mais simples. Este, por sua vez, não realizando os conteúdos-mínimos programáticos do nível médio, entra na universidade despreparado, necessitando de aulas de reforço, a fim de recuperar os conteúdos do ensino médio, necessários para cursar o ensino superior. O curso superior, por sua vez, não recebendo alunos com os conhecimentos básicos, forma profissionais de qualidade sofrível. Entre eles, os profissionais da educação, que irão lecionar no ensino fundamental.

 

Cria-se um círculo vicioso, uma corrente de insucessos pedagógicos, presentes em todo o processo da educação nacional. Estamos diante de um estelionato pedagógico, pois cada nível de ensino não consegue realizar suas metas de aprendizagem, mas concede certificados e diplomas que atestam a aquisição de competências, habilidades e atitudes muitas vezes não adquiridas.

 



Última atualização em Seg, 26 de Outubro de 2009 10:38
 
Copyright © 2014 fnce.org. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um Software Livre com licença GNU/GPL v2.0.